Homenagem foi solicitada pelo senador Izalci

O Senado realizou, nesta sexta-feira (25/10), sessão especial em homenagem ao dia do professor, celebrado anualmente no dia 15 de outubro, a pedido do senador Izalci Lucas (PSDB/DF), com o objetivo de reconhecer essa atividade tão importante e essencial,  desempenhada por esse profissional.

Ana Cristina

Ana Cristina Silva, que esteve na sessão representando os professores aposentados da educação especial, destacou dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), de que o Brasil está no último lugar no ranking de valorização de professores, e na primeira posição em relação aos países com maior índice de violência contra os educadores.

“Esses dados são preocupantes, e a gente só tem uma pergunta a fazer: quando foi que o Brasil começou a errar e nós não percebemos? Na minha época de aluna não existia isso. Professor era autoridade máxima, era o nosso ídolo, lembrou.

João Pedro

Secretário de Educação do Distrito Federal, João Pedro Ferraz dos Passos disse que é preciso ter responsabilidade e buscar identificar os erros para garantir o futuro.  “ Se nós não andamos bem, é porque não fizemos corretamente. (…) nós precisamos saber onde erramos para retomar. E erramos. Porque senão a educação e os professores não estariam hoje com todas essas reclamações”, afirmou.

Maria Clara

Representando os estudantes, a aluna Maria Clara de Paula, do Centro de Ensino Médio da Asa Norte (CEAN) disse que professores são os verdadeiros responsáveis por manter viva a esperança de um futuro melhor para o país.

“É impossível tornar-se um real cidadão sem passar por um professor. São essas pessoas que acreditam plenamente na educação e que mudam a realidade de milhares de pessoas todos os dias, e é a partir desses profissionais que existem outras profissões. (…) Todos nós temos um professor ou uma professora que mudou a nossa história”, declarou.

Natany Osório

Natany Osório, professora pioneira no Distrito Federal, responsável pela alfabetização de crianças desde a inauguração de Brasília, afirmou que educar é basicamente um processo de amor, que pode transformar a sociedade. “A receptividade do educando tem por base essencial a radiação amorosa que sente no mestre. Vamos fazer de nossas escolas verdadeiras usinas geradoras de amor. Uma usina de amor ação é a nossa proposta”, aconselhou.

Senador Izalci Lucas

Ao discursar, Izalci afirmou que nenhuma profissão do mundo é mais amorosa do que a do professor.

“Entretanto, este amor não é e nunca foi incondicional, caso contrário, não seria uma profissão, seria lazer, hobby ou caridade. Por isso, há que se investir em salários e condições dignas. Todos nós, hoje profissionais de várias áreas, só chegamos até aqui porque tivemos professores” disse.

O senador também lembrou que já foi professor, ensinou práticas comerciais, contabilidade e matemática financeira no ensino médio e, também, no ensino fundamental e em faculdades. “Conheço a sala de aula e a vida dos seus professores de tempo integral. Esta experiência me ajuda a compreender melhor as dificuldades que vivem os integrantes desta, que, para mim, é a mais sagrada das profissões. Não foi por outro motivo que requeri esta sessão de homenagem aos professores do Brasil”, declarou.

Para finalizar, o parlamentar ressaltou que sem os professores não se forma nada, nem médicos, nem engenheiros, nem advogados, nem nações.

“É preciso dar aos professores as melhores condições de trabalho, salários dignos e formação continuada, se é que queremos construir alguma coisa, se é que queremos que o Brasil se transforme numa Nação digna, na qual todos possam viver bem e em paz”, concluiu.

Durante a sessão, a Banda Acorde, formada por alunos do Centro de Ensino Especial de Taguatinga, tocou o Hino Nacional e músicas regionais que encerraram o evento.

Banda Acorde

*Com informações da Agência Senado.