Relator da CPI da Chapecoense, o senador Izalci Lucas defendeu ainda o aperfeiçoamento da legislação de seguros

Instalada nesta quarta-feira (11), a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Chapecoense terá o objetivo de apurar o atraso no pagamento das indenizações às famílias das 71 vítimas do acidente com o avião, da companhia aérea boliviana LaMia, que transportava o time da Chapecoense para a partida final da Copa Sul-Americana de futebol na Colômbia.
O trio que vai comandar a Comissão de Inquérito terá os senadores Jorginho Mello (PL/SC) na presidência, Dario Berger (MDB/SC) como Vice-presidente e Izalci Lucas (PSDB/DF) na relatoria da CPI.

Izalci destacou que as seguradoras, que são estrangeiras e atuam no país, têm que cumprir o acordo e indenizar as famílias corretamente.

“Nosso objetivo principal é reparar financeiramente as famílias, mas também aperfeiçoar a legislação atual e buscar mecanismos para evitar que isso que está acontecendo agora não ocorra mais. Os familiares esperam há muito tempo por uma solução e precisamos amparar essas pessoas que já sofreram muito com a perda e ainda têm que enfrentar todas essas dificuldades”, afirmou o senador.

Izalci terá 180 dias para apresentar o relatório. Na próxima terça-feira (17), a comissão volta a se reunir para definir a agenda de trabalho.

 

Foto: William Sant’Ana